quinta-feira, 6 de outubro de 2011



O tempo passa. Tic Tac. O relógio não pára. Quando olho para trás vejo o que vivi e penso no que fiz. Penso no que deveria ter feito de maneira correcta, nas pessoas por que deveria ter lutado mais, nas vezes em que desisti por medo. E, depois, penso de novo. Será que teria sido mais feliz tomando outras escolhas? Nunca se sabe o que está à porta, o que nos espera, o que o destino nos reserva. Estamos habituados a viver a pensar apenas no que nos toca, no que nos irá magoar, nos nossos motivos para tal acção e por vezes perdemos tempo com coisas dispensáveis, outras perdemos oportunidades que poderiam vir a ser únicas. Será que vale a pena? Ouvimos em todo o lado a conhecida expressão "Vive como se não houvesse amanhã" e a verdade é que pensamos que o estamos a fazer mas quando olhamos para o que fizemos, apercebemo-nos que isso não aconteceu, que metade ou mais das oportunidades que nos aparecem à frente escapam-nos por entre os dedos, muitas vezes por nossa causa, porque somos demasiado cobardes para arriscar em algo que tanto poderá ser perfeito como poderá magoar-nos. E quando pensamos em corrigir... Tic Tac.. é tarde, já perdemos a nossa oportunidade, o relógio não espera por nós nem nunca vai esperar. Olhamos para a infância e vemos a felicidade pura, na altura só queriamos crescer, ser grandes para poder fazer o que quisessemos e para podermos ser donos do nosso próprio nariz mas com o crescimento perde-se a magia existente numa criança, perdemos a capacidade ilimitada de perdoar , a habilidade para ver além da aparência, a facilidade de encontrar um motivo para ser feliz e em vez disso, tudo o que nos é fornecido é a aptidão infinita de ficar mal com alguém, a visão presa ao aspecto visual, a agilidade em encontrar razões para nos entristecer. Não aproveitámos aquilo que nos foi dado e.. Tic Tac.. O relógio continuou, ele continua e nós insistimos em cometer os mesmos erros vezes e vezes a fio. Devemos aprender com erros. A vida é demasiado curta para acordar com ressentimentos. Ama quem te trata bem e esquece os que não o fazem. Arrepende-te dos teus erros e não de não teres tentado. Lembra-te que o tempo que gostas de gastar, não é tempo desperdiçado. Esquece tudo o que magoou. Não te esqueças de quem és. Aproveita os momentos ao máximo. Não penses no que desperdiçaste pois enquanto pensas podes estar a desperdiçar algo. Aprende que.. Tic Tac.. o tempo não pára, não espera que penses, que decidas, que reajas. Ele continua a passar mesmo que não notes e se não aproveitares cada segundo, quando reparares já é tarde de mais para viveres e se nada fizeres da tua vida, não lhe podes chamar de vida visto que nunca realmente viveste.

terça-feira, 31 de maio de 2011

wake up


it started slowly, one look, one smile, one touch. everything began being important. not for you, for me. i can't change what i feel about you and i can't change the way you feel about her. wake up, she doesn't deserve you. i'm the one who needs you, the one who's still here, the one who wants you, the one who admires every single laugh of yours. looking at you, i smile without even noticing, you make me happy while breaking my heart, my hope. wake up, i'm here for you. every single moment has his importance, everytime you touch me i feel something inside wanting to come out. please just wake up, i want you. nothing has changed, you haven't noticed my heart beating yet, you look at her while she turns her back. i know it hurts, you're doing the same to me. you haven't woke on time, things changed. i don't want you the way i wanted, i don't look at you the way i did. you should have woken up earlier. you should have opened your eyes, i was crazy about you. but this isn't a love story, it's just another story about love*

quarta-feira, 30 de março de 2011

words


Palavras. Nem sempre demonstram o que queremos dizer, no bom e no mau sentido. Por vezes, saem fluentemente e escorrem como se não as controlássemos, é como que um hábito, um costume e no entanto, qual o seu significado? Palavras não são tudo, não é suficiente dizer o quanto se gosta de alguém se não se demonstra. Enquanto que as palavras deixam voar a imaginação, acções tornam tudo real, provam que tudo é autêntico e esclarecem a veracidade do que foi dito, por vezes um abraço evidencia mais que qualquer palavra. No entanto, muitas vezes verbalizamos algo que não existe, que significam essas palavras quando caracterizam algo inexistente? Que representam elas emocionalmente se apenas duram nos bons momentos e desaparecem à mínima distância? Essas não significam nada, saem por instinto como uma obrigação, como uma necessidade de demonstrar um afecto temporário por alguém, não têm conteúdo nenhum. Muitos pensam que o silêncio é um vazio que tem de ser preenchido mesmo que não tenham nada de importante para dizer mas porquê estragar o momento dizendo algo que estragará a perfeição do que se passa? No ar ficará sempre a dúvida se fizemos bem ou não, mas preferes esconder algo correcto ou perder alguém por deixares sair algo que na verdade não sentes? Apenas age, pois é a melhor maneira de demonstrar aquilo que sentes.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

friENDships


pensas que será diferente, que será desta, que será essa pessoa aquela que mudará o rumo de todas as tuas amizades. mas acaba por ser igual a todas as outras, aprende que as amizades partem sempre. nunca te tinhas apercebido da falta que te fazia aquele apoio quando choravas, dos sorrisos e até das lágrimas. queremos passar para um novo capítulo da nossa vida visto que o passado já passou mas nem de página conseguimos mudar, bloqueamos. guardamos as fotos, recordamos os momentos, rimos ao pensar nas piadas, choramos a pensar nas discussões, sentimos falta do passado e mesmo que tudo mude, tudo ficou connosco de qualquer maneira, nada foi esquecido. quando partem levam com eles uma parte de nós, um bocadinho da pessoa que somos, da pessoa que nos fizeram ser. pedimos para que saia da nossa cabeça ou para que volte à nossa vida, a saudade corrói-nos por dentro, magoa e isso é insuportável pois nunca esquecemos aquilo que considerámos como perfeito, como eterno. mas nada dura eternamente, aprende mesmo que as amizades acabam sempre por partir, portanto não percas um segundo enquanto dura.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

friend?


so yeah, it's true, i was and am sad. so what? where was your help? you should have been worried, should have hugged me, should have given kisses in my forehead, should have told me everything was going to be just fine. Instead, you ignored me and my feelings. why? why did you pretend that i don't exist? why didn't you wipe the tears that were falling from my face? why did you leave me in this deep dark hole without any help? friends aren't supposed to act like that, they help you no matter what. friends support you, listen, hug, help. did you do that? no, you preferred to stay away, only worried about your pride, your feelings, your supposed reason. you were too concerned with simple things to care about me, about the hole that existed in me, about the sadness that kept invading me. maybe i'm not perfect and i'm aware of that. but you know what? i keep being a much better person than you, because i always forgot my pride when you needed me, i was always there.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Bad Times


sabes aquelas alturas em que choras e parece que o céu chora contigo? em que olhas para a janela e nela vês como que uma tela de cinema? sabes quando vês passar o teu passado no vidro, aquele em que o sol brilhava tal como o teu sorriso, aquele em que eras feliz? sabes aquelas vezes em que vês tudo o que tinhas como um observador exterior e te apercebes do valor do que tinhas como nunca tinhas feito antes? depois, olhas em redor, para o que tens, já não é o que era. o sol já não brilha assim como o teu sorriso já não o faz, perdeste praticamente tudo aquilo que te fazia lutar e ser feliz e pensas no que te resta. realmente, o que te resta? já nem sabes bem, parece que tudo deixou de fazer sentido, apetece-te fugir, isolar-te num local onde ninguém te veja, te toque, te magoe. e quanto ao passado, ficarás sempre a questionar-te se o problema és tu ou simplesmente não estava destinado. sabes que normalmente é nessa altura que voltas a olhar para a janela e as lágrimas escorrem pelo rosto como a chuva no vidro da janela? sabes que te sentes inútil? e aí te apercebes do que te resta: o tabaco, aqueles pequenos tubos que te trazem breves momentos de paz enquanto te corrõem por dentro, te consomem, mas, no entanto, tornaram-se o teu único prazer. conheces essas alturas? eu conheço, têm sido as minhas actuais companheiras.

(obrigada joana, pela ideia inicial :p)

sábado, 8 de janeiro de 2011

sister


Custa pensar naquilo que sinto, não é fácil trazê-lo cá para fora, magoa sequer pensar no assunto e, no entanto, não me sais da cabeça. Não consigo ver-te ou ouvir-te com medo da minha reacção, não sou capaz de falar contigo com receio de não me controlar nas palavras e dizer-te para voltar, não sou forte o suficiente para aguentar a tua partida. E, mesmo assim, foste, deixaste-me aqui, sem ti, e isso custa. Só quero voltar a ter-te comigo, quero de novo o teu sorriso, quero sentir o teu cabelo na minha cara quando te deitas em cima de mim, quero a tua voz mesmo que seja a gritar comigo, quero que nos deitemos na cama a ver filmes, quero de novo mesmo cada simples gesto, cada olhar, cada sorriso. Pois tudo o que tínhamos era diferente, era especial. Sempre foste mais que uma amiga, mais que uma irmã, sempre foste alguém a quem sou capaz de entregar a minha vida, uma das pessoas mais importantes da minha vida e posso nem sempre o demonstrar mas eu amo-te, de verdade e para sempre, seja qual for a distância ou a zanga que nos separe, pois sei que és daquelas pessoas que nunca desaparecerão quando preciso, que estarão sempre lá para me amparar, que me ensinam o que é realmente a vida, que gostam de mim pelo que sou e não me tentam mudar. Apesar de só ter passado uma semana, apenas pensar nas próximas vinte e cinco, ou perto disso, que faltam dá-me vontade de chorar, dá-me vontade de dormir todo esse tempo para que voltes depressa, para que venhas para ao meu lado rapidamente pois nunca pensei que fosse afectar-me tanto mas a verdade é que o fez, não o consigo evitar. Não vou negar o que sinto, tenho saudades tuas irmã, única e simplesmente.